quarta-feira, janeiro 07, 2009

V.Guimarães-Benfica 0-2

Constituição das Equipas e Avaliação Quantitativa do Desempenho

Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães
Hora: 20:45
Árbitro: Olegário Benquerença (Leiria)

V. GUIMARÃES
Nilson (3); Andrezinho (2), Gregory (2), Moreno (2) e Luciano (2); Luís Filipe (3), Wênio (2), João Alves (2) e Fajardo (2); Desmarets (2) e Roberto (2).

Treinador: Manuel Cajuda.

Suplentes: Nuno Santos, Carlitos, Marquinho (1), Nuno Assis (1), Momha, Leonn e Jean Coral (-).

BENFICA
Moretto (3); Maxi Pereira (3), Luisão (4), Miguel Vítor (4) e David Luiz (3); Balboa (2), Katsouranis (4), Yebda (3) e Di María (2); Aimar (3) e Suazo (3).

Treinador: Quique Flores.

Suplentes: Quim; Cardozo, Ruben Amorim (4), Makukula, Carlos Martins (3), Jorge Ribeiro (3) e Sidnei.

Sistemas Tácticos

Benfica

V. Guimarães
Modelos de Jogo

Benfica

Expectativa; Bloco médio/baixo; Transições Rápidas.

V. Guimarães

Posse e Circulação de Bola; Domínio da Partida; Bloco médio/alto; Assumir Iniciativa de Jogo.

Principais Incidências da Partida (fonte: www.record.pt)

6' - Aimar e Di María desperdiçam duas soberanas ocasiões consecutivas. O lance começa com Suazo a servir Balboa e este, na direita, a cruzar para a entrada de Aimar. O argentino cabeceou para defesa de Nilson e, na recarga, o brasileiro volta a brilhar, então desviando, com o pé, o remate de Di María

9' - GOLO DO BENFICA... KATSOURANIS. Canto de Aimar, na direita, com o internacional grego a entrar de rompante ao primeiro poste, cabeceando para o fundo da baliza.

26' - Bom lance de Luciano, no lado esquerdo, cruzando para a grande área contrária, onde aparece David Luiz a antecipar-se a Roberto.

56' - Cabeceamento de Aimar por cima da trave, depois de iniciativa rápida começada por Ruben Amorim e onde Suazo foi á linha cruzar para a entrada do argentino.

81' - GOLO DO BENFICA... CARLOS MARTINS. Moreno perdeu a bola para Suazo nas imediações da grande área vimaranense, o hondurenho soltou para Ruben Amorim e este cruzou para o remate de primeira do internacional português.

Destaques

Melhores em Campo

Benfica

Miguel Vítor - Simplesmente irrepreensível!

Katsouranis - Coroou um desempenho de excelente qualidade com o primeiro golo do Benfica.
Promoveu o equilíbrio defensivo e emprestou fluidez e clarividência aos movimentos ofensivos.
Essencial na qualidade das transições.

Ruben Amorim - Incansável no seu labor defensivo, aportou ao flanco direito o indispensável equilíbrio.
Recuperou imensas bolas e deu profundidade ao flanco.
Revelou superior leitura e visão de jogo na assistência para o segundo golo.

V. Guimarães

Nilson - Sem hipóteses nos golos, alardeou a habitual segurança.

Luís Filipe - Confirmou o bom momento de forma, conferindo profundidade ao seu flanco.

Piores em Campo

Benfica

Balboa - Um arsenal infindável de equívocos.
Apenas por uma vez conseguiu acertar ao executar um excelente cruzamento para Aimar no lance que antecedeu o primeiro golo do Benfica.

Di Maria - Completamente inconsequente!

V. Guimarães

Gregory - Para além de ter acumulado erros, devia ter sido expulso por acumulação de amarelos antes do final da primeira parte.

Arbitragem

Paupérrima.
Acumulou um conjunto considerável de erros.
Inacreditável o fora de jogo assinalado a Di Maria quando este tinha entre si e a linha de baliza apenas e tão só quatro jogadores vitorianos (o argentino seguia isolado para a baliza).
Perdoou a expulsão a Gregory e a Roberto, o primeiro por acumulação de amarelos e o segundo por agressão a Rúben Amorim.
Não assinalou penalty num derrube de Maxi Pereira a Marquinho.
Assinalou incompreensivelmente falta num lance em que Suazo se isolou após ultrapassar Moreno.

Comentário

Não há duas sem três!

O Benfica regressou, esta noite, às vitórias após ter derrotado o Vitória de Guimarães, por 2-0, com golos de Katsouranis e Carlos Martins. O terceiro triunfo em outros tantos confrontos esta temporada.
Organização e qualidade da transição defensiva.
Segurança e velocidade da transição ofensiva.
Espírito de conquista, brio e agressividade.
Foram estes os predicados que conduziram o Benfica ao êxito.
O triunfo encarnado demonstrou à saciedade que o melhor ataque começa numa boa defesa.
As equipas apresentavam-se imbuídas de estados de alma completamente distintos.
O Guimarães em crescendo e o Benfica em desespero emocional.
Assim não estranhou que Cajuda tenha repetido a receita utilizada frente ao Rio Ave e que Quique Flores tenha operado uma mini-revolução no onze inicial.
A conjuntura impunha cautelas, mas, desta vez, o Benfica não vergou perante as adversidades. Antes, pelo contrário!
Revelou determinação, ambição e desejo de vencer, ou seja, satisfez o código postal das vitórias.
Mudou a atitude da equipa face ao jogo e o conformismo, a falta de iniciativa e as tibiezas deram lugar à confiança, ao desejo veemente de fortuna e de glória, ao espírito de grupo e de conquista.
A vontade de afastar a propalada crise foi visível logo desde o minuto inicial, em evidente contraste com a nefasta apatia que marcou o paupérrimo desempenho na Trofa.
O Benfica entrou bem na partida, pressionando alto e imprimindo intensidade e dinâmica ao seu processo ofensivo.
Ancorados numa perfeita organização defensiva, os encarnados assumiram cedo o controlo da partida.
Com Yebda e Katsouranis impecáveis nas tarefas de recuperação e circulação da bola, jogando sempre a um/dois toques, a qualidade e a segurança das transições surgiu naturalmente.
Capturando a bola em zonas bem adiantadas do terreno e emprestando rapidez à transição ofensiva, o Benfica entrou no jogo praticamente a vencer com um golo de Katsouranis, na sequência de um canto.
A vantagem tranquilizou o Benfica e o seu império sobre o jogo acentuou-se.
É certo que entregou o domínio territorial ao Vitória, mas não é menos correcto que o seu domínio sobre o adversário e as incidências da partida foi, quase sempre, pleno.
Dinamismo, velocidade e repentismo no processo ofensivo e concentração, ordem, disciplina e método no momento defensivo eram as imagens de marca do Benfica.
O Guimarães queria, mas não conseguia e, deste modo, a partida chegou ao intervalo com o Benfica na frente do marcador.
Na segunda metade, houve que sofrer e a equipa fê-lo sem hesitações!
Cerrou fileiras em nome do ideal de vitória.
O Vitória aumentou o seu domínio, mas o seu processo ofensivo revelou-se sempre infecundo, incapaz de ultrapassar a competência benfiquista na defesa do seu extremo reduto.
Alardeando um perfeito controlo emocional das expectativas, o Benfica dominou o curso da partida, não mais permitindo veleidades consistentes ao Vitória, que, na segunda metade, não construiu uma única oportunidade clara de golo.
No terminus do encontro, Suazo serviu Ruben Amorim à direita e este cruzou para um pontapé vistoso de Carlos Martins. 0-2 e ponto final nas aspirações vitorianas.

17 comentários:

Mestrecavungi disse...

Olé, Benfica olé, benfica olé, benfica olééééé!OOOOOOOOOOH, benfica olé, benfica olé, benfica olééééé´!

VermelhoNunca disse...

Amigo Cavungi, lá o teremos de regresso ao curral, para pastar, no próximo fim-de-semana.
Leve o Caga pela Boca.

antes morto que vermelho disse...

tueba o boi que sempre disse que a taça cerveja era uma merda, está todo contente por ter ganho aos escravos, que têm um treinador que perde de propósito.
esta taça cerveja é uma competição que não interessa ao diabo, a não ser, este ano, ao curralense!

e não esquecer qua quando ainda havia 0-0 o "verrugas" fez um penalty!

destaque para o miguel vitor que arreia em tudo o que mexe, tipo lixo luiz

enfim ... ração para a boizada que é engolida á grande e á francesa. dada por um meio (SIC), super-tendencioso, que teve o descaramento de dizer que o golo do monhé foi fantástico!

Vermelho disse...

Amigos:
Serve o presente comentário para vos informar que amanhã não actualizarei o blog por força da morte da minha avó.
Não sei se Segunda conseguirei fazê-lo.
Logo darei notícias.
Abraço.

VermelhoNunca disse...

Amigo Vermelho,
Um abraço forte.

antes morto que vermelho disse...

lamento muito, bermelho

Zex disse...

Uma vez que ocorreu o falecimento da avó do estimado blogger, por respeito a essa triste situação, que lamento, não vou comentar a crónica ao jogo que elaborou que, quanto a mim merecia ser arrasada, tal o chorrilho de expressões e inverdades anedóticas e patéticas que contém.
Na minha opinião, o Benfica fez um jogo sofrível e ultradefensivo contra uma equipa que não soube atacar.
Vitória justa, contudo.
Má arbitragem de Larápio que, entre outros, teve um erro determinante para o desfecho do jogo: penalty evidente de Maxi sobre Marquinho que, a ser convertido, faria o 1-1.
Assassino Ranis jogou bem e melhorou muito a equipa no meio campo, mas na segunda parte, teve o seu momento de javardice habitual, ao simular, grosseiramente, uma lesão, interrompendo o jogo por minutos e perturbando a construção ofensiva (?) dos rapazes de branco.
Lamentável exibição dos peneirentos ex-benfiquistas Filipe e Assis. É revoltante ver a soberba e falta de humildade com que jogam !

JorgeMínimo disse...

Caro Vermelho:

Um grande abraço.

VermelhoNunca disse...

"Miguel Vítor - Simplesmente irrepreensível!"

Vi mal o jogo, mas recordo-me de um lance , em que o jogador aqui elogiado pelo administrador, deu uma monumental casa, que só não teve consequências pela posterior intervenção do Bicuda.
Quanto ao grego, mais do mesmo. Usa essa artimanha de simular lesões para cortar eventuais lances de perigo das equipas adversárias. Recordo-me de um jogo em Alvalade, em que o fez, pelo menos 2 vezes. Escola grega, da selecção campeã europeia em Portugal.

Jimmy Jump disse...

Aproveito o ensejo para enviar ao estimado administrador um forte e sentido abraço.

Relativamente à tua análise, referir que estou globalmente de acordo com aquela, pese embora o facto de não encontrar tantos predicados como aqueles que aduzes para qualificar a exibição do Benfica.
Na minha opinião ressalta a eficácia e a seriedade com que abordou o jogo.
Resultou, e tivessem os restantes jogos o mesmo epílogo.
De mau, referir a persistência da atrofia e da insegurança no momento de ter e circular a bola.
Não raras as vezes foi ver os jogadores a baterem a bola (o que não se compreende numa equipa à qual se exige títulos) em nome duma segurança - na - transição – ofensiva – intermédia que apenas resulta contra equipas como o Guimarães que não sabem o que fazer com a posse de bola.
Com aquelas que sabem tratar a bola os resultados foram gravosos.
É notória a ausência de um box-to-box nesta equipa. Alguém que assuma e paute o jogo da equipa no sector intermédio e que desequilibre depois na frente.
Provavelmente seria o papel destinado a Carlos Martins, que na minha opinião não passa de um 10 arraçado.

A arbitragem foi fraquinha. Erros de um árbitro estupidamente incompetente que prejudicaram ambas equipas.

P.S: é hilariante ver Cajuda Luther King com o seu rosário vociferar amiúde que os vimaranenses são candidatos crónicos a vencerem os jogos venha quem vier

JC disse...

Pese embora já o tenha feito por outra forma, queria também por aqui enviar um sentido abraço ao Amigo Vermelho.

Quanto ao jogo, que não vi, verifico da presente crónica que o Benfica jogou com "bloco baixo".
E apesar de ter visto poucos jogos do Benfica, se calhar é nessa forma de jogar, atrás, espreitando o contra-ataque, que o Benfica de Quique melhor respira.
Em Coimbra foi assim que vi o Benfica ganhar.
Por isso é que quando pretende assumir o jogo o Benfica tem tido tantas dificuldades.

Mestrecavungi disse...

Amigo Vermelho,
Grande abraço.

antes morto que vermelho disse...

o curraleuro cajuda é lampião e a sua ambição é treinar o curralense, isto há 15 anos.

não sei porque não é despedido da equipa escrava uma vez que, desde que a época começou só faz merda:
- deixou-se eliminar na champions pele pior equipa, que jamais esteve na champions
- na uefa deixou-se eliminar por uma equipa mediocre de "kick and rush"
- no campeonato português, além de fazer o favor á sua equipa e ganhar ao leixões, nada fez. por outro lado só perde e empata

que valor pode ter este idiota? e não esquecer que este boi já falou ao tlm em directo, na sic, no estádio das antas, numa clara atitude de provocação ao bom nome do fcp.

Zex disse...

Macaco,
FCPorto/Braga. Taça de Portugal. Estádio das Antas. Época 2001/2002.
Resultado 0-2.
Falou ao telemóvel, a 20 minutos do fim do jogo, em grande festa, todo empertigado, dando a vitória como adquirida e a gozar com o FCPorto.
Nunca me irei esquecer !

Não me olvidarei, igualmente, que este mesmo senhor disse que em casa dele todos eram do Benfica, até o cão. Triste.

Trata-se de um básico algarvio, vaidoso, que pouco sabe de futebol, pseudo-simpático e que nunca há-de treinar qq clube grande, nem mesmo o seu amado Benfica. Tem perfil de treinador de segunda divisão, raramente não perde com o Benfica e é um grande convencido !
Sarjeta com ele !

Jimmy Jump disse...

pense que, como todos viram foi um acidente espectacular, fiquei bué nervoso mas felizmente correu bem, não me magoei, era esse o objective princpal, o Ferrari teve azar, são coisas que podem acontecer a qualquer um, o Van der Sar teve sorte, felizmente pôde assistir àquele acidente espectacular, o meu cunhado estava em casa agarrado ao churrasco. agradeço à minha mãe por me ter trazido ao mundo.

VermelhoNunca disse...

O regresso de Mantorras:
" Benfica vai estar representado na próxima semana em Cabo Verde por Luís Filipe Vieira, Eusébio e Pedro Mantorras. Os três participarão nas comemorações do dia da Democracia, um evento que assinala o nascimento do multipartidarismo na antiga colónia portuguesa. "


Podiam também levar o Cavungi e o Caga pela Boca

antes morto que vermelho disse...

nunca: o cabeça bicuda, o verrugas e o franknstein, penso que não destoariam em cabo verde.