quinta-feira, abril 26, 2007

Antevisão do Benfica x Sporting

A próxima jornada resulta, inexoravelmente, marcada pelos últimos derbys deste campeonato – o Benfica x Sporting e o FC Porto x Boavista.
Tenho por boa a convicção de que estes dois jogos irão clarificar e muito as aspirações ao título dos diferentes competidores.
Ainda que não se olvide a importância do derby portuense, a peleja entre Benfica e Sporting assume outra relevância.
Este derby de natureza quase secular – em 1 de Dezembro deste ano completar-se-ão 100 anos sobre o primeiro Benfica/Sporting - encerra em si uma rivalidade desmedida.
Rivalidade esta que encontra a sua razão de ser mais profunda nos primórdios da existência de ambos os clubes.
O Sport Lisboa, clube que está na génese do Benfica, nasceu em 1904, nas traseiras da Farmácia Franco, em Belém. O Sporting surgiria dois anos depois, em 1906, fruto de uma cisão no seio do Campo Grande FC, de onde saiu José Alvalade para fundar o Sporting Clube de Portugal, em parceria com os irmãos Stromp e Gavazzo.
O primeiro jogo entre estes dois clubes aconteceu a 1 de Dezembro de 1907 e foi logo rodeado de enorme polémica.
O Sport Lisboa conhecia, como sempre nos seus primeiros anos de vida, grandes dificuldades financeiras, enquanto que o Sporting vivia na sombra do dinheiro do avô de José Alvalade, o Visconde de Alvalade.
Esta abundância financeira proporcionou a primeira debandada histórica de jogadores entre os dois clubes.
O Sporting proporcionava banhos quentes aos jogadores e trocas de camisola ao intervalo, enquanto que o Sport Lisboa nem sequer campo de jogos podia oferecer.
Aliciados pelas melhores condições disponibilizadas pelo endinheirado Sporting, 8 jogadores abandonaram o Sport Lisboa - José da Cruz Viegas, Emilío de Carvalho, Albano dos Santos, António Couto, António Rosa Rodrigues, Candido Rosa Rodrigues, Daniel Queirós dos Santos e Henrique Costa.
Assim, no primeiro derby lisboeta, o Sporting alinhou de início com aqueles oito elementos e venceu o jogo por 1-2. Partida que se realizou na Quinta Nova, campo utilizado pelo Sport Lisboa, e que, curiosamente, foi arbitrada por um inglês de seu nome Burtenshaw.
Benfica e Sporting já se defrontaram por 272 vezes em jogos oficiais, sendo 145 para o campeonato nacional.
Nestes 272 jogos, a supremacia benfiquista é bem patente, registando-se 118 vitórias 67 para o campeonato), 53 empates (34 para o campeonato) e 101 vitórias do Sporting 44 para o campeonato).
Em partidas realizadas na condição de visitado e a contar para o campeonato nacional, o Benfica obteve 39 triunfos, 19 empates e 14 derrotas.
À partida para a 27ª jornada, Benfica e Sporting acham-se obrigados a pensar apenas no triunfo, sob pena de ficarem irremediavelmente afastados do título, sobretudo se o Porto vencer Sábado o amorfo Boavista desta época.
Ainda assim, Sporting e Benfica anseiam por um deslize portista no Bessa, mesmo que procurem, também, a conquista do segundo lugar e o consequente apuramento directo para a Champions.
Na realidade, o Benfica vai entrar em campo para vencer.
Com tranquilidade, o Sporting procurará vencer.
Estas serão, por certo, as opiniões dos treinadores, estribadas em lugares comuns e nos bordões de linguagem que lhes são próprios.
Um derby é um derby - lugar comum para começar, o qual poderia ser complementado pelo célebre acrescento de Mário Jardel - derby é derby e vice-versa.
Estes são jogos de resultado imprevisível.
Esta partida encerra a curiosidade de colocar frente a frente os adversários que, pela última vez, derrotaram cada um dos contendores na condição de visitado no caso do Benfica e em termos globais no que se reporta ao Sporting.
Na verdade, o último desaire do Benfica em casa, em jogos a contar para a Liga, aconteceu no ano passado frente ao Sporting (1-3), ao passo que a última derrota do Sporting, em encontros da Liga, sucedeu em Alvalade frente ao Benfica na 1ª Volta (0-2).
Sem perder para o campeonato desde Novembro, Fernando Santos, por certo, que não irá introduzir qualquer novidade no esquema táctico a apresentar frente ao Sporting, mantendo-se fiel ao 4x4x2 em losango.
A principal dúvida em redor da equipa do Benfica reside na possibilidade de utilização de Simão.
Dúvida essa cada vez mais certeza e que, assim, importa a equação de outra dúvida – jogando Simão, quem sairá?
Duas hipóteses – Nuno Gomes ou Karagounis.
Saindo Nuno Gomes, Simão fará parelha com Miccoli na frente de ataque.
Aliás, esta solução seria uma repetição da opção ensaiada na partida da 1ª volta e que tão bons resultados deu.
Também por ter sido frutuosa, deverá ser a escolha de Fernando Santos.
A saída de Karagounis emerge, deste modo, como mais improvável, sendo certo que a verificar-se importava a deslocação de Rui Costa para o vértice esquerdo do losango e a entrada de Simão para o vértice mais adiantado.
O 4x4x2 em losango de Fernando Santos apenas aparentemente se mostra igual ao do Sporting, pois que as suas dinâmicas se revelam bem distintas.
Enquanto que o Sporting aposta nos seus médios interiores e nos seus avançados para dar profundidade ao jogo lateral, o Benfica serve-se dos laterais e dos movimentos basculantes de Simão do centro para as alas para alcançar tal desiderato.
Mas, mais do que o sistema ou os seus integrantes, será a atitude a marcar a diferença.
No último jogo, tive ocasião de escrever que “Para além do renascimento físico de Katsouranis, decisivo para a melhoria da eficiência nas transições, e do ressurgimento de Miccoli, decisivo para o crescimento da eficácia na finalização, a atitude da equipa revelou-se fundamental no triunfo averbado.
Alardeando outra condição física, facto ao qual não será alheia a ausência de competição a meio da semana, o Benfica mostrou-se capaz de evidenciar uma atitude pressionante e não de mera expectativa como o havia feito nos encontros precedentes.
Pressionando e fazendo-o logo no primeiro momento de construção do adversário, a equipa aumentou exponencialmente as probabilidades de lograr um golo.”
Esta será, para mim, a chave do eventual êxito benfiquista.
Hoje por hoje, a questão física já não se coloca, pelo que se exige a adopção de um modelo de jogo assente na pressão sobre o adversário, a partir de um bloco médio/baixo, com as linhas muito perto umas das outras, que permita a recuperação da bola no meio-campo adversário, mas que, simultaneamente, proteja a equipa, não a deixando vulnerável à exploração de espaços nas suas costas e salvaguardando-a das rápidas transições leoninas.
Ainda assim, creio que Fernando Santos apostará em dar a iniciativa de jogo ao Sporting, por forma a conduzi-lo ao abismo da sua incapacidade em jogar em ataque continuado.
Foi assim no jogo da 1ª volta e Santos persistirá na opção.
Claro está, que se Paulo Bento se mantiver fiel à matriz de expectativa, poderemos cair num impasse.
Na 1ª volta, um golo cedo desbloqueou o jogo a favor do Benfica. Domingo veremos como será.
No Sporting, as dúvidas prendem-se com a composição do quarteto defensivo e com o parceiro de Liedson na frente de ataque.
Na defesa, não é crível que Paulo Bento faça alterações, até porque Tonel não apresenta o ritmo de jogo mais adequado a uma partida com as características da de Domingo.
No ataque, mesmo depois do hat-trick frente à Naval, é bem possível que Paulo Bento promova Djalló à titularidade em detrimento de Alecssandro, por forma a procurar explorar a maior mobilidade e rapidez do português e, assim, a menor velocidade de Anderson.
Paulo Bento procurará alcançar a sétima vitória consecutiva e o 15º jogo consecutivo sem perder.
Os níveis de confiança dos jogadores leoninos mostram-se em alta, exponenciados pelo seu recente percurso vitorioso que os guindou ao 2º lugar e os aproximou do líder Porto.
O Sporting que se apresentará na Luz é por demais conhecido.
Estruturado no tão falado 4x4x2 em losango, fará do pragmatismo o seu modelo de jogo.
Apresentar-se-á numa atitude de expectativa, espreitando o erro do adversário.
Pouco ou nada arriscará.
A aposta primordial será na rapidez das transições, quer defensiva, quer ofensiva.
Espero que vença o melhor e que o melhor seja o Benfica.

p.s. Inicio, amanhã, um curto período de férias por terras algarvias, que se estende até Terça-Feira.
Assim, no final do dia de Hoje, colocarei um post que intitularei de “Post Livre” para que possam fazer as vossas apreciações à Jornada do próximo Fim de Semana.

22 comentários:

VermelhoNunca disse...

Destaca o nosso administrador a subida de forma fisica dos jogadores do Benfica no último jogo. Como não vi o jogo na Madeira, exceptuando os lances polémicos que foram transmitidos em programas desportivos durante a semana, admito que assim seja. Diz que Fernando Santos dará a iniciativa ao SPorting (" Ainda assim, creio que Fernando Santos apostará em dar a iniciativa de jogo ao Sporting, por forma a conduzi-lo ao abismo da sua incapacidade em jogar em ataque continuado"), mas por outro lado diz que o SPorting nada arriscará ("Apresentar-se-á numa atitude de expectativa, espreitando o erro do adversário.
Pouco ou nada arriscará."). Fico com a ideia que teremos, na perspectiva do administrador, um jogo de merda. E se assim for, espero que a merda não triunfe.

vermelho disse...

amigo nunca:
foi precisamente isso que conclui:
"Claro está, que se Paulo Bento se mantiver fiel à matriz de expectativa, poderemos cair num impasse."
o jogo só não cairá no tal impasse se, tal como sucedeu na 1ª volta, se verificar um golo relativamente cedo de qualquer uma das equipas.
abraço.

VermelhoNunca disse...

Na minha opinião assim não será. Acho que será um jogo emotivo, e bem jogado, com favoritismo para o Sporting. Claro está que o Benfica fará deste jogo o jogo do ano, como era normal no Sporting no final do século passado, onde uma vitória sobre o rival "salvava" a época.

vermelho disse...

amigo nunca:
"Claro está que o Benfica fará deste jogo o jogo do ano" porquê????
a época do Benfica está perdida, nada a poderá salvar (a não ser um milagre protagonizado simultaneamente por Jesualdo e Santos).
ficar em 2º lugar não salva a época, pois que é um objectivo menor que não se compagina com os pergaminhos do clube.
trata-se de um objectivo meramente económico e que atenta a circunstância de quem ficar em 3º ser cabeça de serie na pré-eliminatória não assume a importância de outras épocas.
por outro lado, como este ano não há qualquer competição de selecções durante o defeso, regressar em Julho ao trabalho não implica um período de férias inferior a 30 dias.
aliás, este ano todos devem regressar ao trabalho em momento muito próximo.
abraço.

Sousa disse...

Eis-me de regresso!
Vejo que isto está muito parado.
O Senhor sempre em negação é o único que resiste.
Mas, para dizer disparates.
Essa do Benfica salvar a época vencendo o Sporting é uma lógica tipicamente lagarta.
O Sporting salvou algumas, poucas, épocas com essa lógica - até festejam, todos os anos, a vitória que alcançaram num jogo numa época em que o Benfica fez a dobradinha!
Tristes!
O Senhor sempre em negação deve ser um dos lagartos sempre presente.
A época do Benfica está perdida.

JC disse...

Diz o Snr. Administrador:
"creio que Fernando Santos apostará em dar a iniciativa de jogo ao Sporting, por forma a conduzi-lo ao abismo da sua incapacidade em jogar em ataque continuado".

Não creio que para o SCP seja um abismo jogar em ataque continuado.
Como se tem visto nos últimos jogos, inclusivamente no FCP-SCP, o SCP tem entrado sempre muito bem nos jogos, tomando a inciativa desde os início em ataque continuado.
Os golos marcados cedo disso são exemplo, só não tendo marcado na primeira parte frente ao FCP, não obstante ter sido nesse período que o SCP construiu as suas melhores oportunidades.
Na Luz não deverá ser diferente.
O SCP deverá entrar, por iniciativa própria, a tentar tomar o controlo do jogo, sem que isso constitua um abismo para os leões.
E se se mantiver seguro na defesa, o SCP poderá marcar primeiro e começar aí a ganhar vantagem para vencer o Benfica.
Espero, pois, um jogo animado, bem jogado, e com golos.
Se não for assim, que ganhe o SCP na mesma.

Sousa disse...

Olha, olha, chegou o Piaçaba...
Mais disparates...
Junte-se ao Senhor sempre em negação numa empresa de entrega de Pizzas ao domicílio.

vermelho disse...

amigo jc:
o Sporting não sabe jogar em ataque continuado.
No Dragão, não o fez, nem nunca o fez na generalidade dos jogos!
se vires a forma como o Sporting tem obtido os seus golos, percebes, claramente, que resultam de recuperações de bola no meio-campo adversário e consequente lançamento de ataques rápidos.
o Sporting tem um modelo de expectativa e não de iniciativa.
O Sporting faz das transições rápidas o seu modelo de jogo.
Aliás, a incapacidade de jogar em ataque continuado por parte do Sporting foi bem visível no jogo da 1ª volta contra o Benfica.
abraço.

VermelhoNunca disse...

Sousa, bem vindo. Assim temos algum palhaço para nos rirmos um pouco.

Sousa disse...

O Senhor sempre em negação procura ser engraçado...
Quer chamar-me palhaço então seja. Serei palhaço.
Percebo por que me chama de palhaço - só pode ter a ver com as suas preferências sexuais.
Já que tanto gosta, deixarei que afague este palhaço que sou.

VermelhoNunca disse...

Condómino Sousa, sinceramente não estou com pachorra para o aturar. Talvez outro dia...

Sousa disse...

Ui, ui, o Senhor sempre em negação não tem pachorra...
talvez tenha outra coisa onde este palhacinho possa ser afagado...
Primeiro, mete-se comigo e depois como a conversa não lhe agrada já não tem pachorra...
Cresça e deixe-se de disparates

JC disse...

Caro Amigo Vermelho:
Acho que o jogo da 1ª volta entre o SCP e o SLB não serve de exemplo para caratcerização da equipa do SCP.
Os leões atravessavam, na ocasião, a sua pior fase desde que o Paulo Bento assumiu o comando da equipa.
Os jogadores estavam abatidos fisica e psicologicamente em virtude da eliminação da Liga dos campeões e Paulo Bento tardava em definir um onze base, insistindo na exagerada rotação do plantel.
Era o tempo das experiências com o defesa esquerdo - Ronny, Tello ou Caneira? - e do trinco - Paredes, Custódio, Veloso, e mesmo Moutinho - Nani era assobiado, Liedson estava em período de seca de golos, Carlos Martins ainda procurava afirmação na equipa antes de assumir, a sua natureza de verdadeiro coxo (para grande pena minha).
Penso que agora as coisas estão muito diferentes, surgindo o SCP, na minha opinião, como a equipa em melhor forma neste final de campeonato e bastante mais personalizada e confiante.
Penso, pois, que se o SCP tiver que assumir o jogo, em ataque continuado, o fará.
Se confio na vitória do SCP?
Por natureza, sou pessimista, de modo que a minha confiança na vitória sportinguista é muito limitada.
Acho é que o normal será o SCP ganhar, pela boa condição em que se encontra e perante a má fase por que atravessa o Benfica.
Mas futebol é futebol e as surpresas acontecem.
Que seja um bom jogo e mesmo que seja um jogo de merda, que o SCP ganhe! E por muitos, para eu não passar o jogo a sofrer.

VermelhoNunca disse...

Concordo com a sua análise, condómino JC. Não se pode comparar o Sporting de então ao de hoje. Recordo o ano em que o Benfica, após roubar indecentemente nos últimos jogos, recebeu o Sporting, e ganhando foi campeão. Nessa época o Sporting podia empatar, controlou o jogo e perdeu. A grande diferença reside no treinador. Peseiro punha a equipa a jogar um futebol atractivo. Paulo Bento é pragmático e os jogadores assimilaram bem os seus métodos.
Penso que o SPorting vai jogar para ganhar, mas o resultado na véspera poderá ser importante na definição do jogo.

vermelho disse...

amigo jc:
a fase pela qual as equipas passam, as experiências que os treinadores fazem com jogadores, as opções que tomam em determinado momento no sentido da rotação de jogadores, podem ser acompanhadas de modificações no modelo de jogo.
No caso do Sporting, não o foram.
Desde que assumiu o comando técnico do Sporting, que Paulo Bento adoptou um modelo de expectativa e de transições rápidas.
A matriz essencial do jogo do Sporitng foi e é o aproveitamento do erro adversário, através de ataques rápidos e contra-ataques.
A equipa é avessa a assumir o jogo, a adoptar um modelo de ataque continuado.
Não consegue assumir o jogo.
Por fim, dizer que aquando do jogo da 1ª volta, o Sporitng não vivia um mau momento, antes pelo contrário - dispunha de 7 pontos de vantagem sobre o Benfica.
abraço.

Sousa disse...

Caro Menstruado:
Não perca o seu tempo a discutir futebol com o Senhor sempre em negação ou com o Piaçaba.
Quem criticou a rotação de jogadores, depois disse que tinha sido benéfica e que a actual forma (qual forma?) dos lagartos se devia a isso e agora volta a criticar, pode ser levado a sério?
Quem nunca emitiu uma opinião sobre futebol, sim sobre o jogo, os jogadores, os esquemas tácticos e todas aqueles assuntos que o Menstruado fala, pode ser levado a sério?
Isto para dar só uns míseros exemplos.
As contradições são permanentes e os disparates frequentes - lembra-se certamente daquela piada do Bueno ser muito provavelmente a melhor aquisição do Sporting ou daquela do golo do Bueno ser falta em Portugal e não em Inglaterra.
Não perca o seu tempo.
Não atire pérolas a porcos.

JC disse...

Caro Amigo Vermelho:
Discordo do caro amigo quanto ao facto de o SCP não estar a atravessar um mau momento de forma por ocasião do jogo da 1ª volta.
Ter 7 pontos de avanço sobre o Benfica não significa estar em bom momento.
O Benfica tinha menos um jogo, como te lembras, e teve um péssimo início de campeonato.
Aliás, logo a seguir ao derby o SCP perdeu com o Spartak em casa por 1-3 e fez, talvez, o pior jogo desta época, a provar a má fase em que se encontrava.
A vitória por 0-1 na Figueira, oito dias antes, obtida no último minuto de livre em jogo de muito sofrimento já indiciava essa má fase em que a equipa se encontrava.
Pouco tempo antes tinha sucedido a derrota com o Inter de Milão e a consequente eliminação da Liga dos Campeões.
Duas jornadas depois, vinham os empates seguidos com o Belenenses e o Boavista e o SCP jogava, nesta altura, mau futebol.

A tudo isto acresceu o facto de o Benfica ter tido a sorte de marcar um golo logo ao 2º minuto de jogo, o que minou decisivamente os já baixos índices de confiança da equipa.

Concordo contigo quando dizes que o estilo de jogo do SCP é o jogar na expectativa e no aproveitar do erro do adversário.
Não acho é que o SCP não consiga, neste momento cair em cima do adversário se tal for necessário.
E muito menos acho que se possa dar como exemplo dessa alegada incapacidade o jogo da 1ª mão.

JC disse...

Caro Condómino Souselas:
Vejo que tem um dossier organizado sobre as minhas intervenções no blogue.
Para quem aparece por cá tão poucas vezes, não deixa de ser estranho como consegue acompanhar tão assiduamente o dia-a-dia do blogue.
Pena que interprete mal aquilo que eu vou dizendo e não saiba distinguir o que é ironia e provocação da análise séria.

vermelho disse...

amigo jc:
pois é, contextualizas bem a questão.
a derrota com o Benfica foi o princípio da crise.
o mau momento veio depois.
abraço.

p.s. o Benfica não teve a sorte de marcar no 2º minuto de jogo.
teve o engenho, pois que, caso contrário, seria tentado a concordar com MST quando afirma a sorte do Sporting nos últimos jogos ou os golos obtidos não o tivessem sido no dealbar das partidas.
abraço.

Sousa disse...

O Senhor Piaçaba não sabe mas o dossier que possuo sobre si é maior do que aquele que o filho do Fanã entregou na Liga.
São tantos e tão grotescos os disparates que saiem da sua boca que o dôssier engorda a todo o instante.
Porém, não pense que está sozinho.
Outros dôssiers, como o do Senhor sempre em negação também apresentam uma dimensão considerável, talvez até superior à do seu.
"Pena que interprete mal aquilo que eu vou dizendo e não saiba distinguir o que é ironia e provocação da análise séria."
Tem razão - não consigo distinguir o indistinguível.
Análise séria... veio-me à cabeça uma música de Jorge Palma - deixa-me rir, essa história não é tua.
Gostaria de poder acreditar na sua capacidade para fazer uma análise séria, mas parece-me que estamos no domínimo do burlesco e das figuras de ficção.
Mas, fica-me uma certeza - o Piaçaba quando escreve nem sempre escreve o que pensa.
Bem, se é que pensa...

JC disse...

Caro Souselas:
Já que cita uma música do Jorge Palma, traz-me à memória uma outra, que canta assim:
"Não te cuides não, vê lá onde vais parar.
"Não vás ao médico não, e depois não te venhas queixar".
Passe bem, caro Souselas.

Sousa disse...

O Piaçaba está a delirar.
Já não diz coisa com coisa.
Mais um disparate para engrossar o dôssier.