terça-feira, fevereiro 26, 2008

Livro de Reclamações

1 - Escrevi em 5 de Fevereiro deste ano que "Podem os mais facciosos e emotivos apaniguados de Benfica e Sporting pensar que as vitórias do último fim de semana afastaram de vez os problemas que têm apoquentado ambos os emblemas.
Nada de mais incauto ou temerário!
O atraso na classificação embora minguado permanece extenso, bem como as carências nos respectivos plantéis.
Assim consigam apresentar outra constância exibicional e então sim se poderá legitimamente falar de superação do seu estado pré-comatoso."
Infelizmente, assistia-me razão!

2 - Após o Porto ter regressado à normalidade caseira, também Benfica e Sporting lhe seguiram as pisadas - retrocederam à normalidade. Ou melhor: à vulgaridade!
Pela sexta vez em dez jogos, o Benfica não conseguiu vencer em casa.
Pela quinta vez em onze jogos na condição de visitante, aos quais acrescem quatro empates, o Sporting perdeu.
Um e outro registo justificam o atraso pontual para o Porto.
Nenhuma equipa pode ter legítimas pretensões com estes números simplesmente miseráveis!
É caso para questionar se Benfica e Sporting discutem o título "a minha crise é pior do que a tua"?!

3 - O registo caseiro do Benfica tem motivado as mais diversas reflexões.
Muitos têm procurado identificar as razões de tamanho insucesso.
Num ponto convergem - medo cénico, no sentido em que o definiu Jorge Valdano!
Acossados por plúrimos fantasmas e pelas suas próprias fragilidades, jogadores há que não conseguem conviver com a grandeza do clube e a permanente exigência de vitória.

4 - Disse Camacho no final da partida com o Braga: "O mais importante é o segundo lugar, que dá acesso directo à Champions. Há muitas equipas na Europa a lutar pelo segundo lugar. A Taça UEFA não te dá nada, só te dá prestígio".
Pergunto eu:
E porque não compatibilizar uma e outra coisa?!
E o prestígio não será interessante?!

5 - O Sporting está, à 20.ª jornada, equidistante do líder e da linha de água.

6 - O Sporting lançou, na segunda-feira, uma campanha de angariação de sócios, que visa "transformar" o número de associados pagantes de 50 mil para 150 mil.
Uma campanha louvável!
Mesmo que tresanda a "déjà vu"!
Claro que as boas ideias podem e devem ser reproduzidas, mas não havia necessidade de um plágio tão copiado, passe o pleonasmo.
Lá estou eu com a minha deriva facciosa, desculpem!
Plágio não, porque onde se lia Kit passa a ler-se "Pack" e os descontos obtidos não o são directamente, mas apenas sob a forma de pontos!

6 - Na apresentação da campanha, Soares Franco apelou à raiz mais profunda da família sportinguista - adejou a bandeira "Benfica".
O móbil da campanha de angariação de sócios é superar o Benfica!
A atractividade da ligação societária ao Sporting não radica no seu valor intrínseco como clube, mas sim na demonstração de uma superior fidelidade dos seus adeptos e simpatizantes em relação aos adeptos e simpatizantes do Benfica.
O mais eficaz estimulante da agregação sportinguista é o Benfica!
Idêntica iniciativa levada a cabo pelo Benfica conheceu um inegável sucesso, sendo que na Luz ninguém necessitou de invocar o nome do Sporting para que a campanha atingisse números ímpares em Portugal e mesmo na Europa.

7 - Na apresentação da campanha, Soares Franco colocou a fasquia nos 150 mil sócios.
Disse, a propósito, que o universo de sócios, adeptos e simpatizantes do Sporting se situa nos 3 milhões.
Na apresentação da campanha de angariação de sócios que o Benfica projectou, Luís Filipe Vieira colocou a fasquia nos 300 mil associados.
Disse, a propósito, que o universo de sócios, adeptos e simpatizantes do Benfica se situa nos 6 milhões.
Um só comentário: Até na megalomania houve plágio!

8 - Uma vergonha Olegário Benquerença ter validado o golo do Setúbal frente ao Sporting, na medida em que há uns anos não validou um lance igualzinho do Vítor Baía, no Estádio da Luz.
Um flagrante exemplo de dualidade de critérios!

9 - A vingança serve-se fria ou como Juliano Spadacio se empenhou a fundo para vencer o Leixões de Carlos Brito.
Um autêntico "ajuste de contas"!
Recorde-se que, há um ano, o médio brasileiro assumiu publicamente a sua satisfação pelo despedimento de Carlos Brito do comando técnico do Nacional, zurzindo forte e feio nos métodos de trabalho do agora treinador leixonense.

10 - A redistribuição de votos em assembleia geral constante da proposta do Governo para o novo regime jurídico das federações tem sido fortemente criticada por algumas das principais federações, tais como a de futebol, basquetebol e atletismo.
E, porquê?
Pela singela razão de que as associações distritais vêem decrescer o seu peso específico nas reuniões magnas.
Actualmente, as associações possuem 55 % dos votos, sendo que passarão a deter apenas 35%.
No caso do futebol, a ponderação de votos das associações de clubes será de 70%, sendo que metade é atribuída às associações distritais e a outra fracção repartida por liga profissional (25%) e liga não profissional (10%).
Os restantes 30% são distribuídos pelas associações mais representativas dos praticantes (15%) e associações de treinadores e árbitros (7,5% cada).
Ou seja, os caciques e os caudilhos não querem abrir mão da decisiva parcela de poder que detêm.

10 comentários:

Antes morto que vermelho disse...

"Uma vergonha Olegário Benquerença ter validado o golo do Setúbal frente ao Sporting, na medida em que há uns anos não validou um lance igualzinho do Vítor Baía, no Estádio da Luz."
Ressabiamento exponenciado, uma espinha cravada na garganta da lampionagem facciosa!
é mais um dos 6M (que se juntar-mos ao 3M de lagartos dá 9M)que afirma a pés juntos que a bola entrou, prove-me que a bola entrou!

o insucesso constante da lampionagem, estão a toldar-lhe o raciocinio, o que implica vómitos constantes, ao ponto de fazer inveja ao velho "Max Hardcore".

JC disse...

Amigo Vermelho:
A que lance de Vitor Baía te referes?
Foi idêntico ao do Rui Belton Patreca?
Foi um frango idêntico?
E não foi considerado golo pelo árbitro porquê?

vermelho disse...

Amigo JC:
O lance é o do remate do Petit que o Baía deixou fugir para a sua baliza.
Não me interessa agora discutir se a bola ultrapassou ou não na totalidade a linha de golo.
Era uma graçola.
E pensava eu que a redacção não deixava dúvidas quanto aos meus propósitos humorísticos.
Certamente por falta de capacidade, enganei-me.
aquele abraço.

JorgeMínimo disse...

Caro Vermelho:
Fazer graçolas, quando do outro lado está um primata burro, é pura perda de tempo. Olha, come antes uma peça de fruta!!

vermelho disse...

Amigo Mínimo:
Excelente momento de humor esse a que aludes no teu comentário.

JC disse...

Amigo Vermelho:
Já estou a ver o lance. O tal do remate do Petit.
Agora percebo o humor do teu comentário.
Não o percebi imediatamente porque não sabia qual era o lance.
Foi, de facto, um frango do Baía parecido com o do Rui Patrício.
Ainda bem que falaste nesse lance.
Ameniza um pouco o meu desgosto pelo erro do GR do SCP.
Afinal, os grandes guarda-redes como o Baía cometem falhas idênticas à do Rui Patreco, sendo que a deste é mais desculpável porque é mais novo do que o baía era na altura.
Ah, é verdade, e no caso do Baía o golo não contou, por isso não mais se falou no frango.

Antes morto que vermelho disse...

pirata: sempre na brecha no que á estupidez diz respeito...
vai ver o site do max hardcore, que o velhote é como tu, javarde até dizer chega e gay!

jean claude: e o teste de matemática?

JC disse...

AMV:
Foi hoje de manhã.
Ainda não sei como correu.

JC disse...

"O árbitro Sérgio Pereira mostrou esta quarta-feira em tribunal o apito dourado que diz ter recebido de prenda do Gondomar SC. A visão da pequena peça de ourivesaria que baptizou o processo agora em julgamento foi recebida com um murmurinho de admiração na assistência, segundo relata a Lusa."

Não sabia que existia mesmo um "apito dourado".
Julguei sempre que se tratava do nome atribuído ao processo.
Pelos vistos, estava equivocado.

JC disse...

Numa ocasião de manifesta acalmia do blogue, onde os demais condóminos se encontram provavelmente, em período de repouso, na expectativa do próximo derby entre SCP e SLB, aqui deixo um pensamento de Péricles para reflexão:

"De que vale eu estar certo se o povo de Atenas ajuiza que estou errado?"

Boas reflexões!