terça-feira, março 24, 2009

Livro de Reclamações - Direitos Televisivos - o Pay-per-View

1 - No Prós e Contras da última segunda-feira, Domingos Soares Oliveira revelou que a Sporttv arrecada, anualmente, cerca de 150 Milhões de Euros em assinaturas.
Mais disse que o custo do conjunto dos direitos de transmissão televisiva das partidas da Liga Sagres ascende a 42 Milhões de Euros.
Ou seja, a Sporttv obtém, desde logo, uma mais-valia imediata de 108 Milhões de Euros!
A título de exemplo e para que se perceba a enorme disparidade entre a realidade portuguesa e a realidade europeia, referir que o Villareal, clube de uma pequena Cidade de 40 mil habitantes, perto de Valência, recebeu a época passada 52 milhões de euros pela venda de direitos televisivos!

2 - Na década de 90 do século passado, a Olivedesportos, vendo na depauperada situação dos clubes um maná a explorar, acentuou a sua política monopolista, adquirindo os direitos de transmissão televisiva das partidas a disputar em épocas vindouras a preços ridículos.
Os clubes sufocados de dívidas e sem receitas para lhes fazer face, viram-se na contingência de antecipar a venda dos direitos televisivos e, como se não achavam em posição negocial de discutir o preço, fizeram-no por valores quase insignificantes.
O Benfica não constituiu excepção e alienou os direitos televisivos relativos aos seus jogos na Liga Portuguesa à Olivedesportos até à época desportiva de 2012/13 (o Sporting, por exemplo, vendeu até à época 2017/1018).
Fê-lo pela "exorbitância" de 7,5 milhões de euros por ano, verba esta à qual acresceu um prémio de assinatura no valor de 500 mil Euros.
Ou seja, os direitos televisivos representam cerca de 10% do total das receitas actualmente geradas pelo Benfica, ao passo que a média europeia se situa nos 50%.

3 - Com o agravar da crise financeira, que ameaça implodir o futebol português tal como o conhecemos, urge, entre outras medidas estruturais, renegociar os direitos de transmissão televisiva das partidas da Liga Sagres.
Dir-me-ão que o detentor dos direitos não tem qualquer interesse em fazê-lo?
Discordo!
Uma visão de futuro, de longo prazo, mas, acima de tudo, de subsistência e mesmo de sobrevivência impõe que a Olivedesportos se sente e discuta com os clubes a valorização dos direitos de transmissão televisiva.

4 - E quando falo em renegociação, penso, sobretudo, no pay-per-view.
O desespero dos clubes portugueses levou-os a nem sequer discutir a introdução de cláusulas relativas a todas as formas conhecidas de transmissão de espectáculos desportivos.
Abdicaram de tudo e mais alguma coisa por um mísero prato de lentilhas (vejo mesmo alguns contratos como leoninos, mas isso é assunto para outras conversas).

5 - A ideia de renegociação do pay-per-view tem por base a alteração do actual paradigma de exibição de eventos desportivos em Portugal, mormente dos jogos da Liga Portuguesa.
Hoje por hoje, a Sporttv transmite, por jornada, um número variável, mas nunca inferior a 3 jogos da Liga Sagres.
A RTP exibe 1 jogo.
Covergem a generalidade dos actores ligados ao fenómeno e a maioria dos "opinion makers" que, a par do preço dos bilhetes, o horário dos jogos e o excesso de transmissões televisivas desertificam os estádios nacionais.

6 - O pay-per-view permitiria compatibilizar os interesses comerciais da Olivedesportos e da Sporttv, os interesses económicos dos clubes e, bem assim, o crescimento da taxa de ocupação dos estádios portugueses.

7 - O pay-per-view, tal qual o idealizo, exigiria uma assembleia-geral da Liga na qual se deliberasse a exclusão da transmissão em directo e em canal aberto ou codificado de partidas da Liga Sagres (nada obstaria a que os jogos fossem transmitidos, em diferido, volvidas que fossem 24 horas sobre a sua realização).
Os desafios seriam transmitidos, unica e exclusivamente, em sistema de pay-per-view, podendo, como tal, decorrer todos ou alguns em simultâneo.

8 - Dir-me-ão com a crise que assola o nosso País, estariam os portugueses dispostos a suportar mais uma despesa?
Dependeria sempre do preço!
A Sporttv tem cerca de 600 mil assinantes, que pagam, mensalmente, cerca de 25,00€.
Se cada jogo fosse colocado em sistema de pay-per-view por valores entre 5,00 e 10,00€, dependendo da sua relevância, os assinantes que apenas pretendem assistir às partidas do seu clube de afeição poderiam conhecer, inclusivamente, uma redução dos seus encargos (conforme o número de jogos disputados e sua relevância).

9 - A audiência média das partidas transmitidas em sinal aberto tem-se situado entre os 11,4 e os 16%. O share entre os 27,8 e os 47.2%.
Uma audiência média de 11,4% corresponde, grosso modo, a 1.100.000 espectadores.
Façamos estimativas por defeito relativas a uma partida entre um dos 3G´s e um outro clube do meio da tabela:
Preço: 5,00€
Compradores: 330 mil - 30% da audiência média em canal aberto
Receita: 1.650.000,00€
Forma de repartição: Equitativa pelos clubes intervenientes e pela operadora de televisão - 550.000,00€.

10 - Aludo a uma repartição equitativa em vista da instituição de um mecanismo de solidariedade que potencie as receitas dos clubes de menor dimensão.
Assim, na prossecução deste desiderato, as receitas apuradas em cada jogo seriam sempre divididas em partes iguais pelos clubes e operador, independentemente da condição em que os clubes fossem intervenientes na partida.
Deste modo, os clubes "pequenos" considerando, apenas, os 6 jogos com os 3G´s arrecadariam 3.300.000,00€ (sem considerar receitas de publicidade).
Por sua vez, os 3G´s nos 30 encontros da Liga Sagres poderiam granjear uma receita nunca inferior a 16.500.000,00€.

11 - O debate sobre a solvabilidade dos clubes portugueses exige que se pondere, devidamente, a solução que ora preconizo.
Assim haja vontade política para o fazer!

9 comentários:

antes morto que vermelho disse...

o damasio soube financiar o curralense com a olivedesportos, agora dizem que enfiaram o barrete! não andassem a comprar charutos cubanos e a vestirem-se no ermenegildo zegna.
agora aguentem-se, e não esqueçam que o contrato com a adidas é até dois mil e muito.
o dumbo que invista do dinheiro dele, ou então que ponha o nulo gomes a render no parque eduardo VII

holtreman disse...

"a Sporttv arrecada, anualmente, cerca de 150 Milhões de Euros em assinaturas.
Mais disse que o custo do conjunto dos direitos de transmissão televisiva das partidas da Liga Sagres ascende a 42 Milhões de Euros.
Ou seja, a Sporttv obtém, desde logo, uma mais-valia imediata de 108 Milhões de Euros!"



Claro que os direitos das ligas inglesa, italiana, espanhola, francesa, alema, da champions league, dos campeonatos do Mundo,, da Europa, da CAN, d Formula 1, de MotoGP, dos torneios de tenis de Wimbledon, US Open, Australia Open, Roland Garros, dos campeonatos do Mundo de Rugby, de Atletismo, da NBA, de Vela, Boxe, Golf, etc..., etc.....
....sao de borla.

Enfim, nem Camelo Lorenco conseguiria ser tao ridiculo.

Vermelho disse...

Amigo Holtreman:
Do universo de assinantes da Sporttv quantos o são devido a esses exclusivos?
Uma parcela muito residual!
Por outro lado, o custo desses direitos é, também, ele residual!
Por fim, o montante a que ascendem os proveitos decorrentes das assinaturas será superior a 150 Milhões (daí a utilização do vocábulo cerca).
Assim, me parece que a afirmação mantém perfeita correcção (se e quando entendida com o devido grano salis, o que, manifestamente, não foi o caso).

Aquele abraço.

JC disse...

O roubo do século, a fraude, o erro anormal em que se traduziu a final da Taça Carlsberg, conhecida agora como a Taça do Embuste, já chegou à Igreja!

"A polémica em torno da arbitragem da final da Taça da Liga entre Sporting e Benfica chegou à Igreja quando um pároco em Lisboa, fervoroso sportinguista, anunciou que não irá baptizar meninos com nome Lucílio.

"Aproveito para vos anunciar que, enquanto for responsável por esta paróquia, não faço intenções de baptizar nenhum menino chamado Lucílio. Queiram dispor para tais propósitos dos serviços de uma paróquia vizinha", anunciou domingo o padre João José Marques Eleutério antes do tradicional "Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe".

Na missa dominical, celebrada todos os domingos às 12:30 na igreja do Rato, o pároco manifestou-se assim "incomodado" com a arbitragem de Lucílio Baptista no jogo da Final da Taça da Liga.

"É verdade que sou sportinguista desde sempre e que falei, durante a missa, do resultado vergonhoso entre o Benfica e o Sporting", disse à Lusa o padre João Eleutério.

Sócio do Sporting Clube de Portugal e atleta durante vários anos, João Eleutério não consegue "ficar indiferente" ao clube.

"Custa muito perder da maneira que perdemos no sábado, frente ao Benfica. Vai ficar sempre a suspeita de que o árbitro não foi correcto", frisou o sacerdote.

João Eleutério não imaginou que o "aviso" que fez no final da missa dominical seria objecto de crónicas em blogues e motivo de comentários por parte de alguns paroquianos.

"Foi mesmo uma brincadeira, mas a verdade é que o Sporting está constantemente a ser prejudicado pela arbitragem", disse.

Na memória do sacerdote, tal como o último Benfica/Sporting, está ainda um jogo realizado há dois anos com o Paços de Ferreira.

"O Sporting perdeu o campeonato por ter perdido o jogo com o Paços de Ferreira, onde foi marcado um golo com a mão", finalizou o padre João Eleutério.

Ndrangheta disse...

A “podridão”, de que se queixa Paulo Bento, dá pois muito jeito. O clube exorcizou os seus demónios e uniu-se à volta do presidente, que até já admite recandidatar-se. Happy ending? Sim, mas só se esquecermos um delicioso pormenor, que ontem se descobriu: o golo do Sporting é precedido de uma falta sportinguista. E esta, hem? Chamem Freud e Jung, por favor! Neste melodrama irracional, o que parece fazer falta ao Sporting é um psiquiatra, que todos ouça e a todos receite calmantes.

Domingos Amaral, Director da ‘GQ’

vermelhosempre disse...

Amigo JC: até os padres andam tolos...

Mestrecavungi disse...

Tinha feito uma aposta em que hoje ainda havia lagartos sobreviventes ao "Tsunami Baptista."
Ganhei.
O que começou por ser uma natural e legitima indignação, tornou-se num espectaculo burlesco de auto-comiseração e de carpideiras profissinais.
Já chega de tanto choradinho!!!!!
Se de cada vez que um arbitro assinalar, ou não assinalar de forma errada, um penaltie, tivermos que gramar durante 5 dias ou 120 horas, com toda a estrutura dirigente do clube acrescido do seu exercito de adeptos furibundos e estropiados, estamos bem lixados.
Não foi penaltie?
Pois não!
Podiam ter ganho por 1-0?
Não se sabe!
Mas ninguem se lembra que falharam 3 penalties....
Mas sobretudo o que mais incomoda os SCP é que perderam com o Benfica.
Isso é um crime de lesa humanidade para esta malta.
Já ví o SCP ser prejudicado ( e tambem beneficiado) de maneira mais grosseira, e não ví esta reacção.
É porque foi contra o SLB.
Até quando esta ladaínha?

Mestrecavungi disse...

Amigo Vermelho,
Para mim o momento mais hilariante da semana,para além do Carlos Martins a marcar um penaltie no Algarve, foi o Bruno Pereirinha a marcar, ou melhor, a tentar marcar um penaltie a Cabo Verde pela Selecção Nacional.
Quis marcar um penaltie á Johan Cruyff, quando todos sabemos que com o Paulo Bento a treinar os penalties os miudos "não vão lá".
Chutou para o lado para um tal de Rui Pedro, e o que aconteceu foi que o caboverdiano chegou á bola primeiro.
Ridiculo!
Mas lindo ao mesmo tempo!

JC disse...

Amigo Cavungi:
Vê se percebes isto que eu não volto a explicar:

O que está em causa não é um erro de arbitragem, não é uma incorrecta apreciação de um lance.
O que está em causa é a forma como esse erro é cometido - que, no campo, logo pareceu muito sinistra, o que depois se confirmou com as surreais explicações do árbitro.

Ou seja, o árbitro, muito longe do lance, decidiu marcar penaltie. Porquê, se não tinha hipótese de ver se a bola embateu ou não na mão do Pedro Silva?

O único elemento da equipa de arbitragem que poderia ter sinalizado aquele lance como penaltie seria o fiscal de linha que acompanhava o ataque do Benfica.
O que não sucedeu.

Então, por que carga de água decidiu o Lucílio tomar a iniciativa de marcar o penaltie?
"Por ser parvo", conclui eu, inocentemente, durante o jogo.

Mas então veio o pior: os cochichos, o falar com o tal fiscal, o não reagir à peitada do Pedro Silva...

...E as explicações!!!
As explicações, Amigo Cavungi!

Lucílio diz que não teve dúvidas que era penaltie, por isso o marcou.
Mas diz também que perguntou ao tal fiscal se era penaltie e ele disse-lhe que não viu!
Então, para tirar as dúvidas - que ele não teve, nota! - perguntou ao outro fiscal (o Ferrari) se era penaltie, ao que ele disse que sim!

Ferrari esse que também disse coisas lindas!
Que viu uma mudança de trajectória da bola e sempre que isso acontece não tem dúvidas em marcar penaltie!

Isto tem jeito, Amigo Cavungi?

E perante esta palhaçada, alguém das instâncias competentes disse alguma coisa?
Foi um erro normal, disse Hermínio Loureiro.
Normal um árbitro marcar um penaltie a 50 metros do lance, numa posição que não lhe permitia ver se a bola tinha ou não batido na mão do Pedro Silva;
Normal andarem os árbitros no terreno de jogo com a mão à frente da boca a cochichar;
Normal ser o fiscal de linha que acompanha o ataque contrário a confirmar que é penaltie;
Normal a figura de palhaço que Lucílio fez na televisão.

E para agravar tudo isto veio o palhaço do João Gabriel, com a Taça do Embuste ao lado, atacar o SCP??!?!?!
Quando muito o Benfica demarcava-se de tudo o que aconteceu, enjeitando responsabilidades no tal "erro normal" e dizendo que são contingências do futebol.
Agora vir dizer o que disse?
Com a taça ao lado?

Haja decoro!

Razão tem o Padre, que não baptiza mais ninguém com o nome de Lucílio.
Ou não fosse Lucílio, ele próprio BAPTISTA!
Que baptize o Lucílio, já que e Baptista!