domingo, maio 17, 2009

Braga - Benfica 1-3

Constituição das Equipas e Avaliação Quantitativa do Desempenho

Estádio Axa em Braga

Braga

Eduardo (1); João Pereira (2), Frechaut (3), André Leone (1) e Evaldo (2); Mossoró (2) (Luís Aguiar, 46 (2)), Alan (2), César Peixoto (2) (Matheus, 60 (-)) e Filipe Oliveira (1) (Rodriguez, 46 (2)); Paulo César (4) e Renteria (2)

Suplentes Mário Felgueiras, Rodriguez, Dani, José Manuel, Luís Aguiar Edimar e Matheus

Benfica

Moreira (4); Maxi Pereira (3), Miguel Vítor (3), Sidnei (4) e David Luiz (-)(Urreta, 11 (4)) , Katsouranis (2) (Yebda, 55 (0)) e Ruben Amorim (4); Jorge Ribeiro (3), Di Maria (4) (Carlos Martins, 69 (-)) e Reyes (3); Cardozo (4)

Quim, Carlos Martins, Urreta Balboa, Yebda e Mantorras

Disciplina: cartão amarelo, Reyes, Mossoró, João Pereira, Filipe Oliveira, Ruben Amorim, Yebda e vermelho por acumulação de amarelos, Renteria

Marcador: 0-1, Cardozo (6); 0-2 Di Maria (12); 0-3 Urreta (46); 1-3 Luís Aguiar (89, gp)

Sistemas Tácticos

Braga


Benfica
Modelos de Jogo

Braga

Posse e Circulação de Bola; Domínio e Controlo da Partida; Bloco médio/alto; Assumir Iniciativa de Jogo.

Benfica

Bloco baixo; Expectativa; Transições Rápidas.

Principais Incidências da Partida (fonte: http://www.record.pt/)

7' GOOOOOLO de Cardozo
Grande passe de Katsouranis, a isolar o paraguaio, que ganha a Eduardo e cabeceia para a baliza deserta. Está inaugurado o marcador.

13' GOOOOOLO de Di María
João Pereira atrasa para Eduardo, que vê depois o seu passe ser intercetado pelo argentino, que contorna o guarda-redes e fuzila, elevando a contagem em Braga. 2-0!

47' GOOOOOLO de Urreta
Passe infantil de Leone, que Urreta recupera para depois combinar com Di María. O argentino desmarca então o uruguaio de calcanhar e este passa por Rodriguez e atira para o fundo das redes de Eduardo.

90' GOOOOOLO de Luis Aguiar
Moreira ainda adivinha o lado mas o uruguaio converte o castigo máximo e reduz a desvantagem minhota no ultimo minuto da partida.

Destaques

Melhores em Campo

Braga

Paulo César - Apenas lhe faltou um golo para que o seu desempenho pudesse ser qualificado de excelente!
Todos os movimentos ofensivos bracarenses com qualidade tiveram a sua intervenção!

Benfica

Cardozo - A confiança tem destas coisas...
Ao acréscimo de auto-estima do paraguaio correspondeu a sua transfiguração.
O jogador apático e abúlico deu lugar a um alegre, solto, fisicamente disponível e, acima de tudo, codicioso.
Apontou o seu 16º golo e alardeou um excelente momento de forma.

Di María - Concentrado, elevou o seu rendimento.
Fez tudo quanto não tem feito ao serviço do Benfica (com uma ou outra honrosa excepção)- entrega, pressão, espírito colectivo, criatividade, tempo de passe e sentido de baliza.
O lance do segundo golo ilustra, na perfeição, o quão diferente foi a sua exibição - normalmente, uma qualquer circunstância impedi-lo-ia de aproveitar o erro de Eduardo.

Urreta - Quique andou toda a época à procura de uma solução para a ala direita, desprezando o talento deste jovem uruguaio.
Na jornada passada, havia já deixado excelentes indicações, hoje, confirmou-as.
Talvez mesmo, as tenha superado!
Deu profundidade ao flanco direito, sem descurar o necessário auxílio a Maxi Pereira.
Brilhante o seu trabalho no terceiro golo e mais uns quantos pormenores que permitem perceber que podia e devia ter sido mais utilizado.
Um jogador com evidente margem de progressão.

Moreira - Regressou à baliza e em boa hora o fez.
Intransponível!
Evidenciou uma segurança e uma tranquilidade que há muito não se lhe reconheciam.
Aos 29 minutos, executou uma monumental defesa, detendo um não menos excelente cabeceamento de Rentería.

Piores em Campo

Braga

Eduardo - Responsabilidades directas nos dois primeiros golos do Benfica - no primeiro, hesitou e Cardozo não perdoou; no segundo, colocou a bola nos pés de Di Maria e o argentino não desperdiçou.

André Leone - Acumulou equívocos e nunca acertou com a marcação aos jogadores mais avançados do Benfica.

Benfica

Num desempenho pautado pela competência, nenhum jogador merece menção negativa.

Arbitragem

Á imagem do que havia sucedido na Madeira, usou e abusou da acção disciplinar!
E de forma incompreensível!
Conseguiu complicar uma partida fácil de dirigir!

Comentário

O estudo e a concentração têm destas coisas...

O Benfica venceu o Braga por 1-3 e assegurou o terceiro lugar na Liga Sagres.
Fraco pecúlio, nula satisfação!
E muita frustração!
Frustração acentuada pela partida de hoje!
Por paradoxal que possa parecer, o triunfo desta noite acentuou a convicção de que a temporada do Benfica podia e devia ter sido outra...
Bem mais frutuosa!
Para tanto, bastava que Quique não tivesse condenado ao ostracismo Diamantino e Chalana.
E tivesse preparado todos os desafios como o fez quando os adversários foram Porto, Sporting, Braga ou Guimarães (os europeus!).
Tal como sucedeu com tantos outros antes de si, Quique desvalorizou o futebol português e as suas especificidades e isso foi-lhe fatal.
Isso e a sua obstinação por um modelo de jogo muito pouco adequado ao papel que ao Benfica a generalidade dos adversários comete.
Se contra Porto, Sporting, Braga ou Guimarães (os clubes minhotos na condição de visitante), o Benfica pode apresentar-se sob um bloco baixo e eleger a expectativa, as transições rápidas e a exploração do erro adversário como matriz essencial, já contra os restantes emblemas da Liga Sagres tem que se estruturar sob um bloco médio/alto e assumir a iniciativa de jogo.
Quique falhou, rotundamente, neste particular e deixou que tal fosse intuído pelo plantel.
Estudo e concentração o código postal do êxito!
Hoje, ambos marcaram presença e, assim, o triunfo surgiu com naturalidade.
Quique preparou a partida, estudou o adversário, perscrutou as suas mais e menos valias, apresentou-as aos jogadores, estruturou a sua equipa de forma a anular os pontos fortes do adversário e a evidenciar os fracos e construiu um discurso agregador e motivador.
Claro que assim os indíces de concentração dos jogadores surgiram, inexoravelmente, potenciados!
Em toda e qualquer organização, a dimensão emocional é vital.
Se um treinador dá a entender facilidades aos seus jogadores, estes intuem-nas e desfocalizam.
Se, pelo contrário, expõe dificuldades,os jogadores agem em conformidade e tendem a convergir.
A vitória do Benfica em Braga resultou, em larga medida, de uma irrepreensível organização defensiva e do exemplar aproveitamento do erro adversário.
Ou seja, da concentração que o seu treinador e os seus jogadores alardearam!
A grande diferença deste Benfica para outros desta época residiu na atitude perante o jogo.
Prévia por parte do treinador e subsequente por parte dos jogadores.
Da concentração nasceu o acerto e um triunfo de indiscutível equidade.

6 comentários:

vermelhosempre disse...

Até que enfim... mas neste caso não se pode dizer que mais vale tarde do que nunca. Gostei do jogo, se bem que em certo ponto acho que há mais demérioto do braga do que mérito do Benfica nesta vitória, pelo menos em termos de números. O benfica fez um bom jojo, o Di Maria conseguiu soltar a bola, o Katsouranis jogou, o Carlos MArtins não.. logo as hipóteses de vitóriam aumentam substancialmente.

Curioso foi ver, mais do que uma vez, a "gañas" de Quique para com a arbitragem, e perguntando eu, porque não foi ele mais vezes assim, mais interventivo, mais pressionante.. é que o Risco ao Meio deu-se bem com este sistema.

Ps: "Es una vergoña.. es una vergoña... Esss una Vergoña..."

KKK disse...

FC Porto = Tetra Campeão!
Sporting CP = Tetra Vice Campeão!
SL Benfica = Tetraplégico!

JC disse...

Amigo Vermelho:
Se não interpretei mal o teu artigo de hoje, faltou a Quique estudar os adversários e preparar convenientemente os jogos?
Ou seja, faltou trabalho e estudo ao treinador espanhol no resto da época, salvo quando os adversários foram SCP, FCP, SCB e Guimarães?

Vermelho disse...

Amigo JC:
Do meu ponto de vista, não se trata de uma questão de trabalho.
Trata-se de uma questão cultural.
Descurou esses aspectos, essencialmente, por sobranceria.
Desvalorizou o futebol português e as suas especificidades, julgando que a superior qualidade dos seus jogadores bastaria para vencer.
Por isso, digo e repito, ao condenar Diamantino e Chalana ao degredo cavou a sua sepultura.
Abraço.

vermelhosempre disse...

Amigo vermelho, pode ser que o teu desejo se torne realidade, uma vez que o nome do ricardo Gomes já começa a ser ventilado em frança como possível treinador do benfica.. e ainda por cima termina contrato no final desta época.

Abraço

Vermelho disse...

Amigo Sempre:
Duvido, mas faço votos para que tenhas razão.
Abraço.