domingo, maio 27, 2007

Análise à Final da Taça de Portugal

O Sporting conquistou a sua 14ª Taça de Portugal ao bater o Belenenses com um golo solitário de Liedson.
O primeiro título de Paulo Bento enquanto treinador e o primeiro do Sporting nos últimos cinco anos.
Bento não é Mourinho, mas é, certamente, o melhor treinador a trabalhar em Portugal.
Cabe-lhe a si a principal quota parte no sucesso leonino - rigor, trabalho e, sobretudo, competência.
Desta vez, inverteram-se as premissas – não houve golo na aurora da partida, mas apenas ao entardecer.
Paulo Bento não introduziu qualquer alteração no onze que havia apresentado na última jornada do campeonato, ao passo que o Belenenses surgiu no Jamor com os regressados Costinha, Amaral, Nivaldo, Rúben Amorim e Sandro Gaúcho.
Alicerçado num meio-campo dotado de enorme mobilidade e profundidade, no qual se destacavam Romagnoli na zona central e Nani no flanco esquerdo, o Sporting, como habitualmente, entrou de supetão na partida.
Cedo se impôs e sem tardar acercou-se com perigo da área do Belém.
O Belenenses procurava conservar um mínimo de coesão na zona central, através da colocação de Ruben Amorim e Sandro Gaúcho numa primeira linha à frente da defesa, mas o certo é que o Sporting conquistava um inequívoco ascendente.
Como previsível, Jorge Jesus baixou o seu bloco e apresentou-se num 4x5x1, que visava conter o ímpeto inicial leonino.
Ruben Amorim e Sandro Gaúcho constituíam uma primeira barreira suportada pelo tridente Cândido Costa, Zé Pedro e Silas que, quando ganhava a bola, procurava lançar Dady em rápidas transições ofensivas.
A forma como mexeu na equipa, esticando-a no sentido da baliza do Sporting, tornou claro que a estratégia de Jesus passava, antes de tudo, pela esterilização do momento ofensivo leonino nos primeiros vinte minutos de jogo.
E conseguiu-o. Sofridamente, mas conseguiu-o.
Ainda assim, nos primeiros minutos da partida, o losango do meio campo leonino superiorizou-se ao quinteto azul, criando e conquistando espaços atrás da linha defensiva do Belenenses, procurando as entradas dos avançados, bem como de algum médio, nomeadamente João Moutinho ou Romagnoli.
Por esta altura, o Sporting encontrava imensos espaços nas alas, especialmente na esquerda, onde Nani beneficiava dos movimentos excessivamente interiores de Cândido Costa, que entregavam Amaral a frequentes situações de 1 para 1.
Todavia, após um período inicial de acentuado sofrimento, o Belenenses conseguiu equilibrar a partida.
E, ao equilibrá-la, foi aportando profundidade aos seus movimentos ofensivos.
A partida conhecia intensidade e oportunidades de golo em ambas as balizas.
Ao intervalo, o nulo no marcador penalizava a inépcia concretizadora de ambas as equipas.
Paulo Bento e Jesus mantiveram os respectivos onzes para a segunda parte.
O jogo decresceu de intensidade, mas permaneceu aberto e emotivo.
A primeira situação de golo pertenceu ao Sporting na sequência de um cabeceamento de Liedson, ao segundo poste, que Costinha, pese embora tenha escorregado, logrou conjurar.
Aos 60 minutos, o Belenenses desperdiçou a melhor de todas as ocasiões de golo em todo o jogo.
Após cruzamento de José Pedro, Dady cabeceou à barra da baliza de Ricardo.
Três minutos volvidos, o Sporting respondeu e Romagnoli, em boa posição, permitiu nova defesa a Costinha.
Com o ritmo de jogo a cair pronunciadamente, os treinadores viram-se forçados a mexer nas equipas.
Paulo Bento revelou-se conservador ao substituir Tello, lesionado, por Tonel, deixando o flanco esquerdo entregue a Caneira e ao fazer entrar Yannick para o lugar de Alecsandro.
Por sua vez, Jorge Jesus mostrou-se mais ousado ao introduzir na partida Fernando e Garcês por troca com Ruben Amorim e Silas, assim emprestando um sentido mais atacante à sua equipa.
Quando já se adivinhava o prolongamento, aos 87 minutos, o Sporting alcançou o golo que lhe daria a vitória.
Miguel Veloso, beneficiando da “ausência” de Amaral, que se encontrava a receber assistência médica fora do relvado, cruzou na esquerda para Liedson que, no coração da área, desviou com sucesso.
O vencedor estava encontrado e o primeiro título de Paulo Bento enquanto treinador estava conquistado.
Para finalizar, resta-me congratular os condóminos sportinguistas pela conquista da 14ª Taça de Portugal.

24 comentários:

JorgeMínimo disse...

Caro Sr. Administrador:
Boa análise do jogo. Julgo que o Sporting mereceu ganhar esta Taça de Portugal, apesar da exibição menos conseguida. O Belenenses foi um digno vencido e a festa (pena a chuva constante) foi muito bonita.
Quero agradecer os parabéns, por si dados, numa demonstração de desportivismo sadio.
Um grande bem haja,
Jorge Mínimo.

JorgeMínimo disse...

Caro Sr. Administrador:
Só uma pequena correcção. Este é o primeiro título de treinador do Paulo Bento, no futebol sénior. No entanto, já foi campeão nacional de juniores em 2004/2005, esse sim o primeiro título do Paulo Bento, desde que é treinador.

VermelhoNunca disse...

Vitória justa. Grande ambiente, como normalmente acontece no Jamor.
Saliento que o Sporting conquistou o 2º lugar na Taça dos Clubes Campeões Europeus de Atletismo em pista. Já fomos campeões europeus, mas o nosso lugar é habitualmente o 3º. Força Sporting.

vermelho disse...

amigo mínimo:
tem toda a razão, mas como calcula referia-me apenas a títulos enquanto treinador de equipas seniores.
abraço.

JC disse...

Antes de mais, importa agradecer ao Snr. Administrador as congratulações que endereçou aos condóminos sportinguistas, dando assim provas do seu desportivismo.
Brindou-nos com mais uma muito boa análise do jogo da final da Taça e soube realçar, como se impunha, as qualidades do Paulo Bento enquanto treinador.
Com apenas 37 anos, Paulo Bento é sem dúvida um dos treinadores portugueses de futuro, e o trabalho que tem feito no SCP é já muito positivo.
Num ano e meio, definiu os alicerces da equipa, baseada na formação, obteve uma Taça de Portugal e conseguiu garantir por duas vezes o acesso directo à Liga dos Campeões.
Formou uma equipa coesa, a jogar bom futebol, com uma filosofia de jogo bem definida.
Existe total empatia entre a equipa técnica e a direcção, e entre estes e os adeptos.
Espero que este projecto do SCP se mantenha por muito tempo, que Paulo Bento seja o nosso Sir Alex Ferguson, como diz Soares Franco e que esta "equipa" consiga ganhar, em breve, o campeonato nacional e ir longe na Liga dos Campeões.

JC disse...

Afinal, parece que Fernando Santos vai-se mesmo manter como treinador do Benfica para a próxima época.
Terminada a digressão norte americana sem ter recebido qualquer SMS nesse sentido, não é crível que seja, agora, despedido.
Por isso, amigo Cavungi, lá vais ter que gramar com ele mais um ano.

JorgeMínimo disse...

Caros Condóminos:
Nada como o Sporting ganhar uma competição, para o blog não ter participantes. Valha-nos o nosso estimado Administrador, que deu uma demonstração de bom desportivismo.

VermelhoNunca disse...

DE acordo amigo Mínimo. Esta vitória caiu mal a muita gente.

VermelhoNunca disse...

Amigo Mínimo, sabe se existe alguma regra que proiba os árbitros de assinalar penalidades antes de completado o 1º minuto de jogo? Ou será que Proença evitou fazer um favor a MST, que diria que o Sporting ganharia com sorte ( se convertesse a penalidade)?

VermelhoNunca disse...

Deixo aqui um convite aos condóminos:
Os sportinguistas que não tiveram oportunidade de ver a Taça de Portugal ao vivo e os que viram mas querem rever o troféu, podem fazê-lo ao deslocarem-se ao Mundo Sporting. A Taça já está exposta, para que todos possam ter o prazer de ver o último título conquistado pelos “leões”.

As visitas ao Mundo Sporting podem ser feitas de terça-feira a domingo, das 11 às 18 horas, sendo que a última entrada é até às 17 horas.

VermelhoNunca disse...

Amigo JC, um abraço especial para si, pela vitória da Ovarense no Nacional de basquetebol

JorgeMínimo disse...

Caro JC:
Apesar de ser adepto do Illiabum (durante anos grande rival), os meus parabéns pelo título de basquetebol.

JC disse...

Caro Nunca:
Obrigado.
Isto de ter três clubes é complicado.
Ovarense (clube da terra natal), Académica (clube da cidade onde resido há mais de 20 anos) e Sporting (clube do coração) obrigam-me, por vezes, a uma gestão das emoções nem sempre fácil.
Ainda bem que raramente se encontram nas diferentes competições que disputam ou que, quando se encontram, lutam por diferentes objectivos.

VermelhoNunca disse...

Deve ser de facto complicado amigo JC. Situação idêntica ao Barbas, essa referência do Benfica, que sofre pelo Belenenses.

JC disse...

Ainda existe o Illiabum, caro Mínimo?
Esse clube é de Ílhavo, não é?

JC disse...

Como o SCP não tem basquetebol, a Académica joga numa divisão inferior da Ovarense, a Ovarense deixou de ter futebol - ou anda pelas distritais, já não sei bem - só tenho problemas nos jogos de futebol entre Académica e SCP.
E mesmo nestes só quando se coloca a hipótese de permanência por parte da Académica e de o SCP precisar da vitória no jogo para atingir os seus objectivos.
O que não tem acontecido, por isso acabo por puxar pelo SCP.

JorgeMínimo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JorgeMínimo disse...

Caro JC:
O Illiabum ficou sem dinheiro e teve que descer à 2ª liga, estando classificado nos primeiros lugares (3º creio, atrás do Sampaense e V. Guimarães).

JorgeMínimo disse...

Caro JC:
O Illiabum é de Ílhavo.

VermelhoNunca disse...

Amigo Mínimo, Sampaense não é um clube do Sampaio?

vermelho disse...

amigo JC:
dar-te os merecidos parabéns pela vitória da tua Ovarense na final do play-off de Basquetebol.
abraço.

vermelho disse...

amigo nunca:
não. é de Sampaio de Gramaços, uma localidade perto de Oliveira do Hospital.
abraço.

VermelhoNunca disse...

Estava no gozo, mas nunca tinha ouvido falar de tal clube, nem da terra em questão. Vou tornar-me adepto do Sampaense.

vermelho disse...

amigo nunca:
bem sei que sim, mas aproveitei a oportunidade para divulgar o sampaense que tem sido um crónico vencedor da proliga.
abraço.