quarta-feira, julho 26, 2006

Incluam o Aimar, p.f.

O dia intenso de negociações entre Benfica e Valência não foi conclusivo, estando agendado para hoje o desfecho do processo negocial que trouxe Amedeo Carboni, director-desportivo do emblema "ché" a Lisboa, tendo-se reunido com Luís Filipe Vieira, o "vice" Rui Cunha e o empresário Jorge Mendes.
Logo de manhã, os responsáveis dos dois clubes retomaram as negociações interrompidas durante a madrugada, num encontro que se prolongou pela tarde e acabou à mesa de um restaurante em Lisboa, ainda sem o acordo selado.
Amedeo Carboni apresentou uma proposta de 15 milhões de euros, mais a cedência de dois jogadores, sendo um deles o avançado Di Vaio, tendo ainda sido abordados os nomes de Kluivert, Pablo Aimar e Fiore.
Luís Filipe Vieira, no entanto, recusou a cedência de qualquer atleta, mantendo-se intransigente nos 20 milhões de euros exigidos.
"Nós estamos aqui a falar de um jogador muito bom, que agrada ao Valência. Sabemos que é um jogador muito querido aqui. Quando os jogadores são bons é difícil negociar, mas estamos a tratar de tudo", afirmou o director-desportivo do Valência à hora de almoço para, à noite, afirmar que o "importante é que Simão seja feliz no Valência".
As negociações irão prosseguir durante o dia de hoje, sendo certo que será conhecido o desfecho final do processo.
É, aliás, crível que Simão viaje mesmo para Valência, emblema com o qual chegou ontem a acordo.
À hora do almoço, o jogador reuniu-se com Amedeo Carboni e Jorge Mendes, num restaurante no Guincho, e, de acordo com as notícias vinculadas em Espanha, acertou um contrato válido pelas próximas cinco épocas, com um ordenado de três milhões de euros por ano.

7 comentários:

vermelho disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
carlos disse...

A ser verdade que o Simão já acertou contrato com o Valência com um ordenado de 3 milhões de euros anuais - e tenho por boa essa informação aqui adiantada - o Benfica terá mesmo de o vender.
A expectativa que o jogador tem de receber tal ordenado não permite que se mantenha satisfeito e motivado no Benfica caso a sua ida para o Valência não se venha a concretizar.
Depois de gorada a hipótese Liverpool o ano transacto, onde Simão ia igualmente auferir chorudo ordenado, não terá o jogador mais estofo para aguentar outra desilusão e frustração por perder mais esta hipótese de fazer um contrato milionário.
A sua permanência o ano passado no Benfica, aliás, já foi penosa, como se viu no terço final do campeonato.
Aliás, tudo indica que o Benfica já não contará com ele, pois nem sequer foi apresentado aos sócios no sábado com os restantes jogadores.
Assim, a pergunta que se coloca é a seguinte:
O que fará o Benfica com o Simão se o Valência não aceitar pagar os 20 milhões de euros reclamados pelo clube da Luz?
Não estará o Benfica a esticar demasiado a corda?

VermelhoNunca disse...

Pode apagar, amigo Vermelho

vermelho disse...

amigo carlos:
incluir o Pablo Aimar no negócio.
abraço.

carlos disse...

Seria quê?
15 milhões mais o Aimar?
E o Valência está disposto a dispensar o Aimar?
Só o Aimar não valerá pelo menos 10 milhões?

VermelhoNunca disse...

Uma verdadeira novela. Simão não pode, nem quer ficar no benfica. LFV tem esse problema para resolver. A ver vamos...

vermelho disse...

amigo carlos:
o aimar faz parte da lista de dispensas do valência e terá sido oferecido como possível contrapartida na transferência do simão.
os números deixo-os para o lfv, mas entre 12/15 milhões e o aimar seria um negócio do outro mundo.
abraço.