quinta-feira, julho 27, 2006

Um desfecho inevitável

Sporting e Moisés chegaram ontem a acordo para a rescisão do contrato que os unia.
A decisão foi de mútuo acordo e não incorre em encargos para nenhuma das partes.
O central brasileiro, acompanhado do empresário Baidek e do seu advogado, Cláudio Baethens, esteve em Alvalade para reunir durante três horas com a SAD leonina, não tendo falado à saída. O jogador tinha como objectivo explicar o caso que levou a FIFA a suspendê-lo por quatro meses, na sequência da queixa dos russos do Krylia Sovetov.
O caso implicava também o seu anterior clube, o Cruzeiro de Belo-Horizonte.
O contrato era de dois anos, mas Moisés abandona Alvalade após ter efectuado apenas alguns treinos com o plantel leonino.
Aqui fica, na íntegra, o comunicado emitido pela Sporting, SAD:
SPORTING, SAD E MOISÉS: REVOGAÇÃO POR MÚTUO ACORDO
A Sporting, SAD e o defesa central Moisés revogaram por mútuo acordo o contrato de trabalho do jogador. Moisés tinha assinado um contrato válido por duas época e a revogação do mesmo não trouxe encargos para nenhuma das partes.
COMUNICADO
1. A Sporting, SAD e o jogador Moisés Moura Pinheiro revogaram hoje por mútuo acordo o contrato de trabalho que haviam celebrado para vigorar nas próximas duas épocas;
2. Da referida revogação não resultou qualquer encargo para qualquer das partes;
3. Independentemente dos motivos que levaram à revogação, a Sporting, SAD louva a atitude do jogador Moisés Moura Pinheiro que permite encerrar este assunto de forma célere e sem outras consequências formais que não seja a da cessação do vínculo laboral;
4. A Sporting,SAD reitera ainda que contratação do jogador respeitou todos os procedimentos normais neste tipo de processos;

1 comentário:

carlos disse...

Se calhar foi melhor assim.
O SCp tem um defesa central jovem que eu muito aprecio - o Miguel Veloso - que com a permanência de Moises no plantel provavelmente poucas vezes seria chamado a jogar.
Com a saída do Moisés, cujo real valor desconheço, a porta para 3º central fica aberta a Miguel Veloso.
Terá oportunidade de se afirmar no SCP podendo, quiçá, vir a ser o próximo patrão da defesa sportinguista.
E para 4º central sempre temos o Miguel Garcia e o próprio Caneira.
Além de que sempre é menos um salário a pagar.
Para além disso, é demonstrativa de autoridade e disciplina por parte dos responsáveis sportinguistas.
A saída do Moisés poderá ter sido, afinal, um revés vantajoso.