segunda-feira, julho 24, 2006

Será desta?

Benni McCarthy está de partida para Inglaterra.
Em princípio, hoje ainda trabalhará com os colegas, mas não deverá voltar a fazê-lo depois disso, porque terá de viajar a curto prazo para o Reino Unido para formalizar o compromisso que já tem alinhavado com o Blackburn Rovers, em princípio por três épocas.
O FC Porto recebe pelo sul-africano cerca de dois milhões e meio de euros, praticamente a mesma verba desembolsada para o contratar, em 2003, ao Celta de Vigo.
McCarthy termina a ligação aos portistas com dois campeonatos nacionais, uma Liga dos Campeões, uma Taça Intercontinental, uma Taça de Portugal, duas Supertaças e o título de melhor marcador da Liga portuguesa em 2003/04.
Um saldo bem positivo para um jogador que nunca teve vida sossegada no FC Porto, mesmo quando o treinador era o seu favorito, José Mourinho, com quem teve o primeiro de vários problemas disciplinares.
Os dois golos marcados aos amadores do Stevo, na passada quinta-feira, foram os últimos do sul-africano com a camisola do FC Porto.
Nesse mesmo dia, já havia contactos adiantados entre o campeão português e o Blackburn, clube ao qual, há cerca de um ano, Pinto da Costa recusou cedê-lo a troco de seis milhões de euros. Uma época e uma produção fraquinha depois, McCarthy entra na última temporada prevista no contrato, cenário que coloca a sua saída noutra perspectiva, da qual os ingleses souberam tirar a devida vantagem.
Ficou a faltar apenas o acordo com o jogador, acordo esse ao qual, segundo apurámos, ontem à noite já só faltavam detalhes.
Aliás, McCarthy foi contactado pessoalmente pelo Blackburn e ficou, desde o primeiro instante, muito entusiasmado com a perspectiva de representar um clube inglês já de uma dimensão razoável. A oficialização da transferência segue dentro de momentos.
No mesmo dia em que McCarthy deverá pôr ponto final na etapa portista da sua carreira, Jan Vennegoor of Hesselink junta-se ao plantel do PSV Eindhoven, terminadas que estão as suas férias de mundialista.
Entre o FC Porto e o campeão holandês, treinado esta época por Ronald Koeman, não há ainda acordo nem sinais de que ele venha a ser conseguido tão cedo, mas continua a ser Hesselink o jogador pretendido por Adriaanse e, mesmo fracassando na tentativa de o contratar, não é líquido que os dragões avancem para uma alternativa, porque a intenção é contratar um jogador seguro, que entre directamente na equipa, e não apenas um avançado para completar o plantel. Sendo certo que o FC Porto não se aproximará sequer dos valores previstos na cláusula de rescisão de Hesselink (oito milhões e meio de euros), a eventual transferência de mais um jogador - Ricardo Costa é o que tem, em simultâneo, melhores ofertas e vontade de sair - originará nova proposta ao PSV Eindhoven. Uma novela que promete novos episódios.

6 comentários:

carlos disse...

Um jogador que fará falta ao FCP.
Benny Macarthy era um excelente avançado, muito querido dos adeptos portistas, pese embora a sua sempre conturbada passagem pelos Dragões.
Rápido, dotado de excepcional técnica e facilidade de remate, foi o avançado portista mais perigoso dos últimos anos.
A confirmar-se a sua saída - anunciada várias vezes todos os inícios de épocas - o FCP terá de fazer um grande investimento para arranjar um avançado da sua categoria.
Para os adversários dp FCP, será uma boa notícia a sua saída.

VermelhoNunca disse...

Amigo Vermelho: nenhum comentário à caricata situação do Manuel Fernandes?

vermelho disse...

amigo vermelho nunca:
como sabe, em Inglaterra os clubes não podem adquirir jogadores lesionados, pelo que padecendo o Manuel Fernandes de pubalgia clinicamente diagnosticada nunca poderia assinar pelo Portsmouth.
Seja maleita de curta ou longa duração.
Seja incapacitante para a prática desportiva ou não.
Ainda assim, o Potsmouth quis sujeitar o jogador a exames médicos.
Como se viu pelas declarações do Luís Filipe Vieira e pelo silêncio do Manuel Fernandes esta era uma situação conhecida de todos.
O jogador quer, claramente, ir para o estrangeiro, o Portsmouth quer, claramente, adquirir o jogador, o Benfica quer, claramente, realizar um encaixe financeiro considerável, pelo que foi da conveniência de todas as partes a suspensão do processo até que o jogador se mostre em condições físicas de firmar contrato.
Agora, das duas uma - ou o jogador recupera em um mês, isto é, até ao termo das inscrições e assina pelo Portsmouth, ou não recupera e a transferência é abortada.
abraço.

VermelhoNunca disse...

Tudo o que disse é verdade. Parece-me no entanto, e uma vez que em Inglaterra não se compram jogadores lesionados, que o benfica queria tentar dar uma "golpada", pois Manuel Fernandes já há muito tempo que padece deste mal.

vermelho disse...

amigo vermelho nunca:
dado que, como diz, a situação do Manuel Fernandes é pública e notória há muito tempo é, no mínimo, inverosímil que o Benfica tenha tentado dar uma golpada aos ingleses.
Abraço.

VermelhoNunca disse...

Cheira-me a esturro amigo Vermelho. E penso que no plantel do seu clube há casos de lesões idênticas, algo que não abona em nada o departamento médico.